Agosto: Mês de Oração pelas vocações

Você conhece São Vicente Pallotti?
Juventude e Vocação

Na edição passada vimos alguns poucos traços de um dos mais importantes períodos da vida de Vicente Pallotti: sua infância. Agora, para continuarmos a conhecer este grande santo, vamos acompanhar seu crescimento, passando por sua juventude e contemplando sua vocação.
Com treze anos, o jovem Vicente começou a frequentar o Oratório de Santa Maria. Aí reuniam os meninos nos domingos e dias santos para instruí-los sobre o catecismo e treiná-los para a Santa Eucaristia. Depois da Missa, brincavam no pátio e participavam de algum ato de piedade.
Depois dos oratórios e um pouco mais velho, Vicente participou das Reuniões, encontros que reuniam todo sábado os adolescentes e jovens para tomar parte nas celebrações em honra de Nossa Senhora e para ouvir as explicações do Catecismo do Concílio de Trento. Assim, Vicente já estava sendo preparado para, mais tarde, ser um grande catequista.
Nesta época do desabrochar da juventude de Vicente, mais precisamente em 1809, as tropas de Napoleão Bonaparte invadiram Roma, onde permaneceram até 1814. O papa Pio VII foi preso e levado para fora de Roma. O clima era de caos e muitos transtornos. Tudo conspirava contra o desabrochar de vocações, mas não foi isto que aconteceu. Ninguém consegue parar o Espírito Santo, nem mesmo a guerra, e foi a Divina Inspiração que sempre guiou Vicente.
Depois das Escolas Pias, Vicente passou a frequentar o Colégio Romano, de 1809 a 1814. Foi nesta época que decidiu a ingressar na austera Ordem dos Capuchinhos. Os pais de Vicente eram benfeitores de um convento da Ordem e o menino sempre visitava aquele lugar. Contudo, foi em 1810, quando tinha 15 anos que, aconselhado por seu confessor, o Pe. Fazzini, Vicente decidiu permanecer no clero secular, devido à sua frágil saúde.

Os costumes daquele tempo permitiam que um jovem de dezesseis anos recebesse a tonsura – raspagem dos cabelos da parte superior da cabeça. Foi tonsurado (o que para nós hoje representa a Primeira Consagração) no dia 15 de abril de 1811 e no dia 26 de maio do mesmo ano o novo clérigo recebeu as quatro ordens menores: ostiariato, leitorato, exorcitado e acolitato. Devido às leis impostas por Napoleão, ele não pode vestir o hábito clerical. No dia 24 de maio de 1814 o papa Pio VIII retorna para Roma. Em 1815 Napoleão é derrotado e enfim a Igreja pode-se ver livre de seu Império.
A partir daí os estudos de Pallotti desenvolvem-se já sem muitos problemas rumo a sua ordenação sacerdotal, que será o tema do nosso próximo encontro. Mas até lá continuemos a difundir a devoção de nosso querido santo e peçamos sempre sua intercessão! Até a próxima!

Comentários

Anônimo disse…
Sou muito feliz por ser palotino!
Edivaldo! Continue a divulgar nossa pai fundador através do seu blog, muitas pessoas ainda não o conhecem, e este é um dos caminhos para se divulgar. Forte abraço e fique com Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor