Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”





A sobrinha de João Paulo I comenta o decreto da Causa dos Santos e conta recordações e detalhes pessoais de sua relação com o Papa que foi para ela “um segundo pai”. “Era um homem de cultura e esperança, não um pobrezinho morto sob o peso das responsabilidades”.


 De La Stampa - Salvatore Cernuzio



“Estamos contentes. É verdadeiramente uma honra”. Assim definiu Pia Luciani, sobrinha de Albino Luciani, passado à história como João Paulo I, ao comentar o decreto da Causa dos Santos que proclama as virtudes heroicas do tio. Após a pergunta sobre o que este ilustre familiar representava para ela, primeira filha do irmão Edoardo, e para a sua família, fez uma pausa de silêncio e deixou ressurgir inúmeras lembranças. “Foi um segundo pai”, diz. E aquele que o povo viu sobre o trono de Pedro por somente 33 dias era a mesma figura que encontrava os doze sobrinhos, aos quais não “ensinava nunca em cátedra”, mas contava histórias, contos e até anedotas das quais tirava uma moral, exortando-os sempre a ser “eutrapélicos”.

Me desculpe, o que siginifica?
“É o que também nós perguntávamos... é uma palavra grega, significa mostrar alegria aos outros, encontrar a parte alegre e também humorada em todas as coisas, pois nos dizia: ‘Quando as coisas vão mal, não vão mal de tudo. Existe sempre uma solução’. Ele estudou grego e as vezes deixava escapar certas palavras, também se esforçando para ser o mais simples possível no modo para chegar a todos”.

Também muito simples, como criticou certo jornal da época...
“Ele cuidava com cada frase, cada palavra de seus discursos e de seus escritos. Uma vez parei para dormir em sua casa quando ainda era patriarca de Veneza e o encontrei pela manhã na capela. Tinha uma folha em mãos. Ele me disse: ‘Já rezei, agora estou procurando finalizar o discurso para amanhã. Tenho medo que não seja bastante simples’. Pedi para ler e comentei: ‘Tio, é muito compreensível’. ‘Mas você tem um diploma em letras, não posso confiar’, respondeu. Ele queria chegar a todos e esse esforço de simplicidade custou caro. Lembro ainda os artigos nos quais se dizia que a Igreja caíra, que os cardeais haviam eleito um pároco de aldeia, um camponês, semialfabetizado... Pensei: pobre tio, olha como o tratam! Ele que estudou e que usava palavras como ‘eutrapelia’”.


Das críticas em vida para a venda de livros após sua morte.
“É uma vergonha, gente que fez especulação para ganhar dinheiro. Entre jornais e livros venderam de tudo. Afortunadamente o ótimo livro da vice postuladora da causa de beatificação, Stefania Falasca, após um trabalho de anos, lança luz e verdade sobre todo o assunto. Uma coisa é certa: ainda existirão os irredutíveis que não o aceitarão. Ainda agora circulam vozes que supõem todo tipo de mal no qual o tio jamais havia entrado. Como certas ficções a ele dedicada onde se fala do Secretário de Estado, Jean Villot, como aquele que tramou sua morte. No entanto, eles eram próximos. Após a eleição, Villot apresentou a sua demissão e o tio o chamou dizendo: ‘Eminência, o senhor não gosta de trabalhar com o novo papa?’. ‘Acredito que o novo Papa tem o direito de escolher os seus colaboradores. Eu já sou velho e gostaria de terminar meus dias em uma abadia na França’. ‘Então, eminência, faça-me a cortesia de permanecer até que eu não tenha encontrado alguém para substituí-lo à altura’. Recordo também que, depois da morte do Papa, Villot pediu para comprar um velho carro com o qual ele costumava andar pelos Jardins vaticanos com o Papa quando deviam falar de coisas particulares. Como pode ver, a realidade tantas vezes é outra”.

Qual era o contato entre Luciani e seu irmão, o teu pai?
“Eram irmãos mas também amigos. Duas personalidades diferentes que se completavam um com o outro. Papai tinha participado da guerra, era mais duro, mas ambos se caracterizavam pela bondade de alma e pela generosidade. Meu pai se dedicou à política, não para ‘politicar’, mas para fazer o bem às pessoas. E seu irmão Albino o encorajava, dizendo: ‘Temos deveres e responsabilidades para com as pessoas’”.

Seus familiares permaneceram à margem nestes anos seja no que diz respeito a desmentir as várias conjecturas sobre a morte quanto ao processo de beatificação. Por quê? 
“Foi uma escolha. Nós não queríamos nos intrometer nas coisas que pareciam não nos competir. Nunca pressionamos o processo pois não era justo fazê-lo, mesmo que se inicialmente o fato de não terem adotado uma ‘via preferencial’ como para o processo de Wojtyla nos tenha entristecido um pouco. No sentido que esta lentidão nos parecia uma falta de confiança para com o tio. Ao invés disso, foi positivo”.

Em que sentido?
“Os anos de estudo e aprofundamento construíram uma imagem correta de Albino Luciani e não aquela interpretação de um pobrezinho morto sob o peso das responsabilidades e assim por diante. Meu tio era muito diferente: era um homem de grande cultura, de grandes esperanças e grande amor pela Igreja e para os outros. Procurava viver segundo o Evangelho e na pobreza. Sobretudo na pobreza. Vou contar uma coisa...”.

Pois não...
“Quando fui a Veneza, Irmã Celestina, uma das colaboradoras, me dizia: ‘Pia, diga ao teu tio para comprar meias novas, estou cansada de remendar buracos’. ‘Mas porque não o diz você mesma?’. ‘Já o disse, e sabe o que ele me respondeu? Não, Irmã Celestina, a senhora é tão boa que tenho certeza que dará conta de fechar os outros buracos. Assim guardamos um pouco de dinheiro e damos aos pobres’. Era assim. Também como Papa. Se tinha alguma coisa dava aos outros, era bom para com todos. Também simpático, sabe? Transmitia alegria. Eu tenho isso sempre para comigo”.

Agora poderá rezar a ele como Beato.
“Assim faço já tem tempo. Para mim, no entanto, permanece sempre o tio Albino. Sendo a sobrinha mais velha – tenho 71 anos, sou velhinha – tive oportunidade de conhece-lo por mais tempo. Me repetia sempre que eu era a ‘chefe’ e que se me comportasse bem, todos os outros irmãos e irmãs me seguiriam. Quando eu estava em Roma costumava encontrá-lo. A última vez foi dez dias antes da morte; me disse: ‘Não tenho espaço na agenda, mas quero vê-la. Se não te incomodar que enquanto como continuo a trabalhar, te convidarei ao almoço’. Fui lá, o encontrei sereno, cercado por colaboradores. Ele me disse que tinha muito trabalho e que desejava realizar apenas uma coisa: delegar o quanto possível os assuntos de governo de modo a ter mais espaço para dedicar-se ao apostolado, à pastoral”.

Ao invés disso, nem duas semanas depois, morreu...
“Imagine com que coração acolhi aquela notícia. A única a vê-lo no leito de morte foi minha prima Lina, que estava em Roma. Eu fui a primeira da família a ser avisada. Mi disseram que tinha morrido com algumas folhas na mão. Imediatamente as pessoas começaram a dizer: o que estava escrito naquelas folhas! Eram cartas de trabalho, eu sabia, ele era um trabalhador incansável, como já disse: se levantava cedo para rezar e depois iniciava. Dormia no máximo um quarto de hora pela tarde, depois das 20 horas dava boa noite mas levava algo para ler ou assinar. De Veneza, como não teve tempo, mandou que trouxessem vários livros e documentos; o seu secretário Pe. Mário Senigaglia me disse uma vez: ‘Teu tio já havia planejado todo o pontificado’”.

E que tipo de pontificado teria sido?
“Não gosto de pensar o que teria acontecido. É certo que morreu muito cedo, mas evidentemente à Providência bastavam aqueles 33 dias. Eu acredito, ele assim me ensinou. Pense que dois anos antes, depois de uma viagem ao Brasil, voltou com uma trombose na veia do olho e contava rindo que o médico o havia dito que se essa trombose tivesse parado em outro lugar estaria morto. ‘Tio, mas por que ri?’, perguntava. ‘Porque a Providência de Deus é esta’. De fato, poderia ter morrido já dois anos antes e não aconteceu. Tinha uma missão a cumprir e, mesmo que em um só mês, acredito que o tenha cumprido bem. Se comprova pelo fato que ainda hoje há pessoas que falam dele, que lembram dele, que existam jovens que têm sede de conhece-lo como percebo pelo Facebook e Twitter de onde me escrevem tantos”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No dia das mães...