VIGESIMUS ANNUS


Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes, povos todos festejai-o!
Pois comprovado é seu amor para conosco, para sempre ele é fiel!
Sl 116

1. Observações proeminentes

A nossa vida é, indubitavelmente, recheada de perguntas. Defrontamos-nos durante nosso caminhar com interrogações fundamentais, sejam elas naturais da própria existência e de seu desenrolar ou dúvidas secundárias, criadas por nossa mente, que não rendem tanto quanto as primeiras. Contudo, essas perguntas, nobres ou frívolas dentro da grandiosidade do universo humano e além do nosso tato, são fundamentais para um verdadeiro descobrimento do próprio ser e de sua interpretação. São também caixas enigmáticas. E suas respostas, se as encontramos, auxiliam na arte de viver. Todavia, o mais importante é o esforço a que somos submetidos quando buscamos estas respostas, como que chaves para a abertura de portas. O que não pode é
cruzarmos os braços e tornar-nos indiferentes quanto a essa busca. Buscar respostas, eis uma grande tarefa. Tarefa que me lanço e que paro somente para refletir sobre a minha busca nestes anos todos.

Ao completar dezenove anos de vida e entrar no vigésimo ano de minha existência, é inevitável que eu me complete de perguntas. Algumas, aquelas que sempre fiz. Outras, novas, com novos significados, apontando para um horizonte antes desconhecido. Tudo isso, levado pelo tempo. Misterioso tempo, que nos conduz da infância até a maturidade em um estalar de dedos. Irônico tempo. Da mesma forma como o ventre materno nos expulsa quando se completa nosso tempo e nós ainda despreparados somos lançados ao mundo, pisamos na vida adulta ainda incapazes. Não por falha humana, falha nossa, de nossos genitores, mas pelo simples fato de que somos humanos, e nos apegamos sempre mais àquilo que nos traz maior prazer e conforto.


Às perguntas “quem sou eu?”, “de onde onde vim, aonde vou?”, somam-se muitas outras, mas neste momento importante, principalmente aquela: “o que fiz até agora?”, e cruzando o limiar do tempo, a cada passo, a cada ano, a cada ampulheta virada, porque não dizer que também nos perguntamos: “quanto tempo me resta?”.Ao pisar no primeiro dia, ao iniciar a vivência do meu vigésimo ano de vida, interrogo-me também. E sigo buscando essas respostas. Entretanto, o que pode parecer difícil ou custoso, torna-se leve e proveitoso quando contamos com um auxílio sobre-humano. O Altíssimo nos ajuda nessa caminhada que, no fim das contas, tende a Ele.

Por isso, nesta data natalícia, dia de agradecimento e reflexão, elevo minha ação de graças ao Pai de todas as luzes por ser minha companhia constante. Peço que Sua mão pese sempre sobre mim, para que nos momentos em que eu me interrogar, eu ouça a Sua voz a me responder e o caminho indicar. Peço que o Cristo, Pastor e Mestre, me ajude sempre a ser útil, a Ele e aos homens, a começar nas pequenas causas, no amor e pelo amor. E que o Espírito Santo me auxilie, com sua Inspiração, a viver buscando a santidade na Sua força. E também aos meus pais, que há mais de 19 anos plantaram uma semente, sempre cultivando-a com estima inigualável.

Concluo essa brevíssima e ínfima reflexão pessoal pensando em uma resposta para tudo isso. Nada surge. Enigmática mente humana, incompreensíveis desígnios divinos! Termino esta, enfim, entregando a minha existência nas mãos de Maria, Mãe de Deus e nossa: “Totus Tuus”! Sou todo seu, Mãe, e tudo o que é meu é seu. O meu presente “Ad Infinitam Dei Gloriam”. E meu futuro
“In manus tuas”. De onde vim, para que vim, o que fiz, e o que farei no tempo que me resta, coloco nas mãos de Deus. Afinal, Voluntas Dei Pax Nostra.


"Que é a nossa vida? Um vapor que aparece por um instante para logo se desvanecer." (Tg 4, 14)
Dado em Cornélio Procópio, 14 de dezembro de 2009. Memória de São João da Cruz. Dia de minha 19ª natividade.



Edvaldo Betioli Filho
Noviço da Sociedade do Apostolado Católico

Comentários

Anônimo disse…
Meu querido filho!
Quando sabemos e entendemos porque estamos aqui, a vida se torna mais clara, pois sabemos por quais objetivos estamos lutando, e consequentemente mais feliz, não que seja mais fácil, estaremos vez ou outra nos questionando... mas é preciso continuar e a força virá da vontade de alcançar seus sonhos.
Muito me orgulha ler sua postagem, por vários motivos, sendo o primeiro deles a evolução e a conscientização que o fez chegar até aqui, afinal te acompanho desde que começou as escrever seus primeiros rabiscos.. a primeiro postagem do Diálogo Vivo, seus pensamentos e seu dom de escrever brilhantemente.
Nada o impede de mudar de idéia, mas quando li me passou tanta convicção, tanta certeza do caminho que quer seguir, que já te vi realizado no que escolhestes, e isso me deu medo pois não quero deixar de estar perto de você, que mãe egoísta eu sou... Mas vou saber entender muito bem a cada escolha feita por você. E mesmo se precisar ter retorno em seu caminho... acredite.... Você sempre saberá... de onde veio, e para onde vai.Pois és filho de Deus....e isso é sua força,pois Ele te guiará sempre.
E 19 anos, te acompanhando... (ops, e os meses de gestação), e te amando, cada segundo mais e mais.
Felicidades meu filho.
Carinho..sua mãe.

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor