Indulgências - Esclarecimentos

INDULGÊNCIAS
Esclarecimentos

“Na indulgência se manifesta a plenitude da misericórdia do Pai, que vem ao encontro de todos com seu amor, expresso em primeiro lugar no perdão das culpas. Ordinariamente, Deus Pai concede seu perdão por intermédio do sacramento da penitência e da reconciliação. [...] A Igreja, tendo recebido de Cristo o poder de perdoar em seu nome (cf. Mt 16, 19; Jo 20, 33), é, no mundo, a presença viva do amor de Deus que se inclina sobre toda a fraqueza humana para a acolher no abraço da sua misericórdia. É precisamente por meio do ministério da sua Igreja que Deus espalha pelo mundo sua misericórdia, mediante o dom precioso que, conforme antiquíssima designação, chama-se indulgência.
(João Paulo II, bula O mistério da Encarnação, nº. 9.)

1. O que é
Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa, que o fiel, devidamente disposto, e cumprindo certas e determinadas condições, alcança por meio da Igreja. (CIC 1471)

1.1 Culpa e Pena
Em todo pecado deve-se distinguir-se a culpa e a pena. Pelo sacramento da penitência, também chamado de confissão, o homem fica livre da culpa do pecado que o separava de Deus. Entretanto, há ainda uma pena temporal (castigo) devida ao pecado. A penitência imposta pelo sacerdote na confissão satisfaz em parte as penas temporais merecidas pelos nossos pecados. Um meio para aliviar as penas temporais, devidas pelos nossos pecados, consiste em ganhar as indulgências que a Igreja concede.

2. Espécies de indulgências
A Igreja estabelece unicamente duas espécies de indulgências: as plenárias e as parciais, conforme libertem, no todo ou em parte, da pena temporal devida pelos pecados (CDC, cân, 993).

2.1 Indulgência Plenária
É a qual se ordena à remissão de toda a pena temporal devida pelos nossos pecados; de tal maneira que, se lucrássemos uma delas e morrêssemos logo após, reunir-nos-íamos a Deus no céu imediatamente, sem de ter de pagar por nossos pecados no purgatório.

2.2. Indulgência Parcial
É a remissão parcial da pena temporal devida pelos nossos pecados, em maior ou menos grau, conforme a obra que fizermos enriquecida com indulgências.

3. Condições para se ganhar as indulgências
Para que alguém seja capaz de ganhar indulgências para si mesmo são necessárias as seguintes condições:
1. Ser batizado;
2. Que não esteja excomungado;
3. Encontrar-se em estado de graça, pelo menos no fim das obras prescritas:
Deve-se entender que a aplicação das indulgências supõe que os pecados já tenham sido perdoados quanto à culpa e à pena eterna, e, em consequência, aquele que as ganha está na graça de Deus. Suponhamos que esteja anexa à visita a determinado santuário uma indulgência plenária. Um fiel poderá estar em pecado mortal ao entrar no templo para a visita. Ali, entretanto, tendo a intenção de ganhar a indulgência, ele se confessa, comunga e reza um pai-nosso e uma ave-maria pelas intenções do papa. A indulgência plenária lhe terá sido concedida.
4. Que seja súdito de quem concede as indulgências;
5. Ter a intenção, ao menos geral, de ganhar a indulgência:
Deve-se entender que sendo a indulgência uma graça, a Igreja só a concede a quem realmente tem a intenção de aproveitá-la. É muito conveniente expressar diariamente essa intenção como parte das orações da manhã. Por exemplo, dizendo: “Deus Misericordioso, Maria Santíssima, quero ganhar todas as indulgências que puder neste dia, nesta semana e sempre”. Assim, estarão eles em condições de ganhar as indulgências que tenham sido concedidas às orações e boas obras que digam ou façam, mesmo que não se lembrem disso no momento de realizá-las, e mesmo que não saibam que tal oração ou ação goza de indulgências concedidas pela Igreja.
6. Cumprir as obras prescritas, no tempo determinado e no modo devido, segundo o teor da concessão (CDC, cân, 996, 1, 2).

3.1 Condições para Indulgência Plenária
É necessária a execução da obra enriquecida com a indulgência e o cumprimento das seguintes condições: 1. Confissão sacramental; 2. Comunhão Eucarística; 3. Oração pelas intenções do papa; 4. Exclusão de todo afeto em relação a qualquer pecado, mesmo venial.

• As indulgências podem ser aplicadas às almas do purgatório? Sim. Tanto as indulgências parciais como as plenárias podem ser aplicadas às almas do purgatório como sufrágio (MI n° 4)
• Qual é a intenção da Igreja ao conceder as indulgências? É auxiliar a nossa incapacidade de expiar neste mundo toda a pena temporal. Os fiéis quando se empenham em ganhar as indulgências, compreendem que por suas próprias forças não podem expiar o prejuízo que se infligiram a si mesmos e a todo o corpo místico de Cristo, e por isso são excitados a pratica da humildade.
• A Igreja Católica tem o poder conceder indulgências? Sim. Que a Santa Igreja católica, apostólica, romana tenha o poder e o direito de conceder indulgências é uma verdade da fé, expressamente definida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor