A diabólica “Ideologia de gênero”


A palavra “diabo” vem do grego diabolos, que quer dizer acusador, divisor, intransigente. Não por acaso o anjo decaído foi chamado de diabo, por ser ele o causador de discórdia e divisão. No Novo Testamento a palavra diabo aparece 34 vezes, identificando, em geral, um poderoso inimigo de Jesus Cristo e por Nosso Senhor vencido. Tudo aquilo que causa divisão é por fim diabólico.

Também diabólica é a “Ideologia de gênero”, que muito tem se falado em nossos dias, mais uma artimanha do inimigo que se utiliza, sobretudo, do meio político para implantar neste mundo seu obscuro reinado de divisão e de destruição da família e da pessoa humana. Mas o que é essa “Ideologia de gênero”?

Em palavras simples, esse movimento afirma que cada um nasce sem sexo definido: não existe sexo masculino ou feminino, simplesmente há o indivíduo, que escolherá, quando adulto, se é homem ou mulher. Portanto, defende um esvaziamento jurídico do conceito de homem e mulher, afirmando que o sexo biológico é apenas um dado corporal, que causa uma ditadura da qual o indivíduo se deve libertar pela composição de um outro gênero, conforme a cultura de seu tempo ou com a educação recebida.

Por isso que os ideólogos de gênero estão tão interessados em impor nos planos de ensino, seja nacional, estadual ou municipal, a agenda do gênero: sabem que a família é o núcleo central da sociedade, onde o indivíduo realiza-se como pessoa na intimidade do amor, e assim, doutrinando as crianças nesta nefasta ideologia, elas começariam uma ‘revolução’. Seria o fim da família e da própria pessoa, reduzia a um objeto de interesses.

Eis um dos riscos deste movimento que é muito mais que uma simples ideologia: a destruição da família, que tem seu fundamento na união estável entre homem e mulher. Para os ideólogos do gênero, tudo é visto como uma batalha de poder entre homem e mulher, assim, sendo essa diferença a causa do problema, elimina-se a diferença! E tudo isso patrocinado pelo atual poder federal constituído em nosso país, de inspiração marxista.

Como homens e mulheres batizados, tementes a Deus, devemos nos lançar em defesa do ser humano e da família! “Homem e mulher Deus os criou” (Gn 1,27): distorcer os planos de Deus nunca levou o ser humano à felicidade, pelo contrário! Precisamos nos aprofundar mais nos ensinamentos cristãos, buscar formação e fortalecer nossa espiritualidade. Contra os planos diabólicos de divisão e destruição da obra de Deus, apresentemos nossas armas: “Eis vitória que vence o mundo, a nossa fé” (1Jo 5,4).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor