sexta-feira, 12 de abril de 2013

Os dois Papas: Bento e Francisco


Carta ao Papa João Paulo I

Albino Luciani PapaSanto Padre, desejo hoje escrever-vos uma carta, assim como vós fizestes com tantos personagens de nossa história e imaginação. Também quero deixar de lado o tom formal com o qual deveria tratar-vos, pois muitas vezes escreverei informalmente. Escrevo como um amigo, como o senhor escreveu aquelas cartas. Como me encantei quando li sua correspondência a Pinóquio! E seu temor ao dirigir suas linhas a Jesus Cristo, formidável! Obrigado, querido amigo, por haver nos deixado tão grande herança!

Bem, escrevo esta para falar de outras pessoas. Mas, antes disso, quero dizer de minha admiração por Sua Santidade. Querido papa, como fizestes tanto em tão pouco tempo! Como foi eloquente cada uma de suas palavras! Parafraseando um dos cardeais, sua passagem por nossa terra foi como a de um meteoro: rápida, porém intensa o suficiente para marcar nossas memórias e corações.

Olhar para o senhor, no trono de Pedro, era como olhar ao ‘pároco de aldeia’. Ouvir sua voz nos ensinando a humildade era como ouvir a voz do pastor a chamar o seu rebanho. Humildade! Antes de pregá-la, o senhor já vivia. Recusou a sedia gestarória. Recusou a tríplice coroa. Aboliu cerimônia de coroação, transformando-a em Missa de início dos trabalhos apostólicos. Disse que o amor de Deus é tão grande que se assemelha ao amor de mãe. Os dois papasQueria uma Igreja pobre para os pobres! Como te admiro, amigo papa!

Como bem sabe, Papa Luciani, não canso de invocar-vos, assim como não cansarei. Hoje, porém, quero pedir sua intercessão por outras duas pessoas. Quero pedir que olhe por Bento e Francisco! Sim, nossos papas, aqueles que o sucederam na árdua missão de Vigário de Cristo.

Guarda, papa Luciani, o luminoso exemplo de Bento XVI! Aquela figura tímida, porém sumamente sábia, tomou uma decisão inédita na história da Igreja. Interceda por ele, meu amigo. Posso confidenciar uma coisa? Bento XVI foi vítima de uma ação orquestrada da mídia. Não gostavam dele, de seu estilo teólogo e professor. Não gostam dele simplesmente porque ele é católico, e jamais pensou em mudar uma vírgula daquilo que o mundo quer que a Igreja mude. Por isso, penso eu, existem dois Bentos. O de verdade, que amo tanto, e o que a mídia pintou. Papa Bento XVIAssim que ele foi eleito, em 2005, disseram que a Igreja estava congelada. Que retrocederíamos... Erraram todos. A Igreja jamais será imagem e semelhança do mundo, por isso é Igreja. Quem conheceu verdadeiramente o pontificado do grande guardião da fé reconhece o bem que ele fez, sabe a riqueza que nos presenteou! Reza por ele, Santo Padre, para que sua velhice e sua vida escondida sejam plenas do Cristo que ele sempre pregou e defendeu.

Compreende, papa Luciani, quão maravilhosos e insondáveis são os desígnios de Deus. Ao escolher servir a Igreja no recolhimento da oração, Bento XVI passou o leme da barca para outro comandante. E o Senhor de todos os tempos escolheu, por meio de seus cardeais, o papa Francisco!

Sabe, papa Luciani, tão logo vi a figura de Francisco no balcão da Basílica, lembrei-me do senhor. Aquele sorriso tímido, aquela mão ao ar acenando para uma multidão, que o deixava atônito. E quando ele começou a falar, então? Só pude exclamar: Bendito seja Deus! Ganhamos um pastor que veio para continuar a boa obra de Bento XVI! Eis a obra do Espírito Santo, que não deixa seu povo desolado!

579147_546460372065223_1150499812_nContudo, amado papa do sorriso, Francisco está sendo vítima do mesmo mal que afligiu Bento. Também temos dois Franciscos. O de verdade e o que a mídia está cravando.

De fato, Francisco tem um jeito de ser diferente de Bento. Nem melhor, nem pior. São simplesmente diferentes. Nasceram em terras diferentes, em contextos diferentes, foram criados por famílias diferentes. Cresceram de formas diferentes, estudaram coisas diferentes, trabalharam em ofícios diferentes. E ponto. Mas eles são iguais na opção fundamental que fizeram: Jesus Cristo. E professam a mesma fé, nos mesmos dogmas, nas mesmas verdades, na mesma revelação. São filhos da Igreja.

Querem fazer de Bento e Francisco duas figuras contrastantes. Querem que pensemos, veja o absurdo Papa Luciani, que são como que rivais, até mesmo inimigos. Por isso realçam muitíssimas vezes os gestos de Francisco, sempre opondo aos de Bento, para que gostemos do papa argentino em detrimento do papa alemão.

Nova CruzadaEnfim, amado papa, rogai por Francisco, para que tenha forças para remar contra a corrente, para superar as dificuldades, para dizer as verdades que o mundo não quer ouvir e para enfrentar o mundo que quer mudar a Igreja.

Reze também por nós, Papa João Paulo, para sejamos fieis à Igreja, não dando ouvidos às mentiras da indústria midiática relativista, mas firmes na unidade solidificada em Jesus Cristo. Interceda, amado amigo, pelos que mais precisam, pelos mais esquecidos, pelos mais sofridos!

Por hoje é isto. Tão bem me senti escrevendo ao senhor que voltarei a fazê-lo. Com o coração radiante, imploro sua bênção.

Seu amigo, EBF.

Share this article :

5 comentários :

Margareth disse...

Edvaldo Filho, escrever o que?As lagrimas me impedem apenas digo... Amém, amém, amém..pelas tuas palavras.Meu coração de mãe e de devota a santa igreja de Jesus , se emociona.

Fr. Edinilson Santos, SAC disse...

Muito bom, em modelo de carta, com linguagem simples que prende e cativa, merece ser lido, relido, rezado e compartilhado. Parabéns confrade, espero ler outras nessa linha, linha que o povo entende!!!

Silvana disse...

Penso que todas as pessoas, por um motivo ou outro, simpatiza mais com esse ou aquele Papa, sei, também, que a mídia costuma forçar um pouco a mão quando não gosta desta ou daquela pessoa e principalmente se tratando do pastor maior da nossa igreja, influenciando, assim, a opinião de muitas pessoas. Gostei muito do teu texto, posso até discordar aqui ou ali, mas uma coisa é certa, me fez refletir, principalmente, sobre o fato de que não importam as simpatias, mas o que importa mesmo é que todos eles tem sempre o mesmo maravilhoso objetivo, que você tão bem descreve na tua carta!!! Parabéns Edvaldo.

Matheus Manholer disse...

Ficou muito bom. Este texto deve ser lido por todos. Abraços.

Celso disse...

Edvaldo, belo texto.
Não sabia destas cartas do Papa João Paulo I . Vou procurar....
abraço
Celso