"Tu és sacerdote eternamente..."


Você conhece São Vicente Pallotti?
A Ordenação Sacerdotal
Acompanhamos na última edição a preparação que Vicente Pallotti teve rumo à sua Ordenação Sacerdotal, bem como todas as dificuldades que enfrentou em sua caminhada vocacional. De fato, o ouro é mais puro quanto mais for provado no fogo. Sem sofrimento não há crescimento.
Agora estamos no ano de 1816, e Vicente ainda estuda na Universidade Sapienza e conta com aproximadamente 22 anos. Embora caminhasse para a Ordenação Sacerdotal como secular (diocesano), emitiu privadamente os votos religiosos de castidade perfeita, de pobreza e de obediência ao confessor, mais o voto típico dos clérigos regulares de não pleitear e não aceitar dignidades eclesiásticas. Dessa forma ficara ligado a Deus espiritualmente sem os votos canônicos próprios das ordens religiosas.
Em 1817 quando o jovem Pallotti concluía seus estudos de teologia, sua cidade e toda a Itália sofreram uma série de calamidades. Entre janeiro e maio surgiu uma epidemia que causou grande número de mortes. Passada a epidemia, as regiões da Itália central e meridional sofreram uma longa e rígida estiagem. O preço dos alimentos aumentou, a fome se fez sentida e as ruas se encheram de mendigos.
No dia 10 de setembro de 1817, Vicente iniciou os Exercícios Espirituais em preparação ao seu Diaconato, que aconteceu no dia 20 de setembro, pelo cardeal Vigário de Roma, na Basílica de São João do Latrão. Agora Vicente podia proclamar o Evangelho na liturgia, pregar e batizar. Para Pallotti, o diaconato não foi uma simples passagem a caminho do presbiterato, mas foi um dom do Espírito, que conferia um sentido novo a toda uma vida. No período que se seguiu, Vicente exerceu o Diaconato em diversas Igrejas, de acordo com as leis da época.
O ano de 1818 foi acolhido por Vicente com imensa alegria: se Deus continuasse a ter-lhe misericórdia, como gostava de dizer, seria o ano da Ordenação Sacerdotal. Iniciou seus Exercícios Espirituais no dia 6 de maio até dia 13, quarta feira. E eis que era chegado o grande dia: no sábado da Vigília da Santíssima Trindade, dia 16 de maio, Vicente Pallotti era ordenado sacerdote na Basílica de São João do Latrão. No dia seguinte o Pe. Vicente celebrou sua primeira missa na Igreja del Gesù, em Frascati, nos arredores de Roma.
Pe. Vicente relata em uma carta os seus sentimentos por esta ocasião: “No dia 16 de maio, Deus amabilíssimo se dignou, num gesto de sua infinita misericórdia, erguer-me do pó e do nada e elevar-me ao sublimíssimo grau de sacerdote. Rogo-lhe que reze e peça a outras pessoas que rezem o cântico do Magnificat, em ação de graças pelo benefício recebido. Oh, dignidade grande a do sacerdócio! Que dignidade! Que dignidade!” (OCL I, 24).
O novo sacerdote pediu e obteve das autoridades eclesiásticas a permissão de exercer o ministério na Igreja de Santa Maria del Suffragio, na Via Giulia. Toda manhã, no altar daquela Igreja, à vista das almas sofredoras e diante de um grupo de fieis celebrava a Eucaristia. Após a celebração sentava-se no confessionário e estava sempre disponível.
A Ordenação Sacerdotal deixou o Pe. Vicente cheio de fervor e entusiasmo apostólico, destacando-se nele a incansável dedicação e o vivíssimo espírito sacerdotal. Não era raro encontrar frases como “Procuremos fazer todo o bem possível”, bem como “cuidemos por não nos deixar superar pelos filhos das trevas” em suas inúmeras cartas escritas aos amigos e colaboradores.
Dessa forma, já nos é possível visualizar o início da vida apostólica e espiritual do jovem Pe. Vicente. Nas próximas edições vamos acompanhar um pouquinho mais da vida sacerdotal deste que ficaria conhecido como o Apóstolo de Roma. Enquanto isso, continuemos a propagar a devoção a São Vicente Pallotti!
(Os paramentos sacerdotais da segunda foto foram usados por São Vicente Pallotti em sua visita a San Giorgio di Cassia, onde viveu seu pai e lá estão como lembrança desta visita.)

Comentários

Rafael Sales disse…
Muito bom, São Vicente Pallotti, um exemplo imenso de santidade! Um trabalho muito bonito, que o blog DIÁLOGO VIVO, faz, evangelização pela internet! DEUS VOS ABENÇÕE!
Caro Rafael, obrigado pela sua participação aqui em nosso Blog!
Precisamos trabalhar sempre pelo bem e pela difusão da fé católica por todos os meios!
Abraço, com minhas orações.
Silvana disse…
Oi Edvaldo, ao ler mais um pouquinho sobre Pallotti no teu Blog, somando algumas coisinhas que eu já sabia, dá para dizer que preguiça, definitivamente, não fazia parte da vida sacerdotal e religiosa de Pallotti não é mesmo? Tomara que muitos leigos e também sacerdotes se inspirassem verdadeiramente no exemplo de Pallotti.
Abraço.
Olá Silvana! É sempre uma alegria ter sua participação em nosso Blog.
De fato, Vicente Pallotti era incansável! Um homem de carne e osso, mas que vivia inteiramente para Deus, longe das vaidades deste mundo!
Abraços e obrigado pela contribuição! Deus abençoe!

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor