Beatificação do Papa João Paulo II


Papa Wojtyla: Pallotti foi profeta do novo Milênio


A anunciada beatificação de João Paulo II, que acontecerá na Praça de São Pedro domingo 1° de maio, festa da Divina Misericórdia, fez estremecer de alegria a Igreja inteira e produziu um sentimento de emoção também na Família espiritual de São Vicente Pallotti, que com Karol Wojtyla sempre manteve um recíproco relacionamento de especial aproximação.

Muitas pessoas observaram oportunamente que o Papa Wojtyla é de todos: nem tampouco os seus conterrâneos poloneses podem reivindicar exclusividade. Naquele “Santo Subito”, que está tornando-se uma surpreendente realidade, reconhecemo-nos todos, pois todos o possuímos no coração como pai e pastor universal. Para o mundo palotino, é a própria vida a nos falar. Sim, porque Karol Wojtyla e os palotinos conheciam-se bem.

De Wadowice a Roma

Tudo começou em Wadowice, sua cidade natal, onde o jovem Karol conheceu a primeira comunidade palotina da Polônia, como ele mesmo recordou em várias ocasiões. Em uma rápida panorâmica, vale a pena relembrar os contatos de Wojtyla com os Palotinos em Roma: a estadia do jovem sacerdote na Casa Geral em 1946; os contatos do bispo com o então reitor geral Pe. Guilherme Mohler durante o Concílio para a elaboração do Decreto sobre o apostolado dos leigos Apostolicam Actuositatem, no qual se encontra solene confirmação da ideia do Apostolado Católico, intuída e proclamada por Vicente Pallotti, como Wojtyla mesmo sublinhou em uma homilia na igreja de San Salvatore in Onda; as audiências do Pontífice às Assembleias Gerais da SAC; a visita, como Papa, à Casa generalícia em 1986; depois as visitas pastorais às paróquias palotinas de Roma e finalmente os encontros e as mensagens aos membros da UAC, nos anos de 1985 e 1995.

Um novo Pentecostes


Como na maneira da “pesca milagrosa”, entre os seus inumeráveis discursos e mensagens à Família Palotina, neste ponto é oportuno deter-se em um em particular, que resume e exprime de modo eficaz o valor e a atualidade do carisma palotino, assim como é reconhecido e evidenciado pelo Papa Wojtyla: o discurso na Audiência à Assembleia Geral, de 6 de outubro de 1998.

As palavras de João Paulo II vão direto ao coração da espiritualidade palotina em plena sintonia com a atualidade eclesial: a invocação do Espírito Santo que ilumina o caminho, a nova evangelização da qual há uma necessidade urgente, a espiritualidade de comunhão, com o pleno envolvimento dos leigos no apostolado em todos os ambientes da sociedade: os grandes desafios do novo Milênio cristão, sobre o qual Vicente Pallotti já havia profetizado no século XIX.

No clima de preparação para o Grande Jubileu do ano 2000, com palavras que recordam a imagem da Rainha dos Apóstolos, o Papa concedia aos palotinos uma mensagem “pentecostal”, mais do que nunca válida ainda hoje para um novo “renovar” da fé: “Invoco sobre vós o Espírito Divino, para que vos ilumine no discernimento dos sinais dos tempos e vos conduza a defender e desenvolver em nosso tempo a riqueza do vosso carisma”. É ao Espírito Santo que Papa Wojtyla confia a Família Palotina: “Olhem com esperança o futuro e acolham com confiança os desafios do Terceiro Milênio, tenham a certeza que Cristo está ao vosso lado e está ele próprio ontem, hoje e sempre. Ele vos conceda o seu Espírito, o qual vos conduz à plenitude da verdade e do amor”.

Pela nova evangelização

Abre-se aqui, nas palavras de João Paulo II, o horizonte da “nova evangelização”, pela qual o seu sucessor Bento XVI instituiu um apropriado Pontifício Conselho: um vasto campo de ação que possui na vanguarda o carisma palotino. Disse o Papa Karol: “Vós de modo particular, chamados pela força do vosso carisma a reavivar a fé e reacender a caridade em todo lugar, tendes bem clara diante de vós a opção preferencial pela “imagem de Deus” que espera ser revelada na existência de cada irmão e de cada irmã. Reconheçais em todos a face de Cristo, valorizando todo ser humano”.

“Assim agia São Vicente Pallotti”, destacava João Paulo II, e assim vós deveis “contribuir na obra da nova evangelização, trabalhando com união e concórdia para serem autênticos testemunhos do Evangelho diante daqueles que encontrareis no cotidiano de vosso ministério”.

E aqui, um dever fundamental para os palotinos: “façam crescer a espiritualidade de comunhão antes de tudo internamente, no diálogo da caridade, e assim testemunhando a vida fraterna, intensa vida convivida no amor.” Uma “vida de comunhão” para ser convivida também com os leigos, cuja participação é comunicadora de fecundos frutos.
Há portanto uma feliz intuição na “visão palotina” de João Paulo II: os palotinos na primeira fila no empenho pela nova evangelização.

E para isto o amado Papa Wojtyla invoca a intercessão de Maria “unida em oração com os discípulos no Cenáculo de Jerusalém na espera do dom do Espírito Santo, para que Deus renove na Família Palotina os prodígios de Pentecostes”.


Original de Paolo Salvo. Rivista Regina Degli Apostoli. N°1 / 2011
Tradução: Fr. Edvaldo Betioli Filho, SAC


São Vicente Pallotti, Rogai Por nós!

Beato João Paulo II, Rogai por nós!

Comentários

Felipe disse…
Hoje um grande dia de festa e alegria para nossa amada igreja católica.. um novo Beato.. Grande beato joão Paulo II.. Homem de Deus,,, defendeu e representou e hoje ainda representa muito bem.. o verdadeiro papel... do cristianismo o nosso "João de Deus"...
João Paulo II "Rogai por nós"
Nacir Aparecida disse…
João Paulo II foi um dos maiores papas da história... souber ser verdadeiramente cristão!!!!!!!!
Anônimo disse…
Bendito seja nosso Deus pelo dom da vida do Beato João Paulo II!!!
Parabéns Diálogo Vivo por estes textos tão lindos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor