Poesia para o inverno…

Sinfonia

 

Quando a lua a ti não mais brilhar Valsa

sua embarcação não mais flutuar

e seus olhos quiserem se fechar...

... eu ainda estarei a te amar.

 

Quando sua respiração quiser cessar

o sangue em suas veias não mais circular

e sua mente não mais raciocinar...

... eu ainda estarei a te amar.

 

Quando suas palavras não conseguirem rimar

suas mãos não puderem acariciar

e seus pés o solo não mais pisar...

... eu ainda estarei a te amar.

Quando sua voz não retumbante soar

seu doce sorriso amargo ficar

e a lágrima se recusar a rolar...

... eu ainda estarei a te amar.

Quando seu perfume se perder no ar

seu corpo mostrar a primavera passar

e as costas pelos duros fardos se curvar...

... eu ainda estarei a te amar.

Mesmo que o tempo insista em marcar

em nossas faces o seu desenrolar,

serei para sempre seu par

para uma última valsa contigo dançar.

E quando a indesejada chegar,

pensando que poderá por sobre nós triunfar

o que de ti aprendi, a ela vou mostrar:

 

Se tanto te quis e contigo sou feliz

Não seria agora que iria deixar

Pois não demorará muito para que eu possa noutro lugar

Suas mãos entre as minhas tomar, e...

... eternamente estar a te amar.

Comentários

Diego Schaun disse…
Grande Betioli. Rsrsrs... Belo poema para um seminarista! rsrsrs Que romântico. Parabéns pelas palavras. Que bom que está nos caminhos da poesia... Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor