Uma quase literatura...



Pare
e observe uma árvore.
Suas folhas, quando no outono.
Elas, com aquela cor de morte, caem.
E nós nem ligamos. Perdidos em nossos vis pensamentos,
não nos damos conta. Parecem que caem em vão,
que se desprendem porque simplesmente morrem.
E de fato elas morrem. Mas morrem para que
a árvore continue viva durante a estação
que há de vir, a mais inóspita de todas.
Tudo o que acontece em nossos caminhos,
seja o sangue regando o solo
ou o solo sorvendo o sangue
não será em vão.
Será como
uma árvore.
Que tomba.
Que passa.
Que ensina.
Passos da vida.
Pare e observe uma árvore.


(Trecho retirado do Capítulo I dos rascunhos de "Nossos Caminhos")

Em Breve!

Comentários

Anônimo disse…
Seu poema, pra variar faz quem lê... Pensar e repensar em cada linha... E por que não nos comparar a uma arvore? Talvez bem mais frágil... mas ao mesmo tempo com a força...do nosso Criador.
Nascemos com a opção de sermos sombra para muitos... alivio...consolo...força.E como as arvores.....muitas vezes passamos sem que sejamos visto desta forma.
Parabéns filho!. Pela sensibilidade, e força ao escrever.

****No Reino de Deus, os eleitos são todos alimentados pelo do fruto da Árvore da Vida: “Felizes os que lavam as suas vestes, para terem direito à Árvore da Vida e poderem entrar nas portas da cidade” (Apc 22, 14).


Margareth

Postagens mais visitadas deste blog

Pia Luciani: “Será beato, mas para mim será sempre tio Albino”

Mãe de Deus, Mãe de nossa salvação

Epifania do Senhor